A estreia de uma corredora

Monique Lôbo
12/10/2017

Meu dia anterior à prova tinha sido um desastre: dormi pouco, não descansei, me alimentei mal. Vida que segue. Não dava para desistir. No dia da prova, bateu um medo. Me vi naquele aglomerado de gente e pensei: ‘e agora?’. Olhei para o lado e vi que tinha dois amigos que torciam por mim. Aquilo me acalmou

No último domingo, participei da corrida Eu Amo Correr Etapa Fantasy. Nessa prova, tive a companhia de alguns amigos do CORREIO, entre eles a jornalista da equipe de esportes Fernanda Varela, que estava estreando em uma prova de corrida. Hoje, eu cedo o espaço para que ela conte a vocês como foi a experiência de completar uma prova pela primeira vez.

Com vocês, Fernanda Varela:

“Uma das poucas certezas que eu tinha na vida era que participar de uma prova de corrida e cruzar a linha de chegada era impossível. Em 28 anos, eu nunca tinha corrido, afinal. No domingo passado, isso mudou.

Em janeiro eu estava muito acima do peso e decidi buscar ajuda profissional de um nutricionista. Perdi alguns quilos com a mudança de alimentação e fui procurar uma atividade física para acelerar a perda de peso e buscar um bem estar. A ideia inicial era caminhar diariamente na orla, por uma hora. Isso durou uns três dias, até que me vi cercada de pessoas que estavam correndo. Pensei: por que todo mundo consegue, menos eu? Decidi dar uma corridinha. Senti um grande cansaço nos primeiros passos, talvez por ter corrido rápido demais. Aos poucos, fui ajustando a intensidade e, entre corridas e caminhadas, consegui completar 5km. Essa rotina durou uns dois meses, até que pensei: ora…se eu faço isso na rua, sem compromisso, por que não tentar quebrar esse tabu?

Comentei com Miro Palma, amigo e colega de trabalho, e ele, com sua habitual empolgação, me incentivou. Procurou todas as corridas de rua até o fim do ano, os trajetos, preços, horários, tudo. Decidi arriscar. Assim que o salário entrou na conta, me inscrevi em uma prova de 5km. Deu frio na barriga, mas decidi que eu completaria essa prova, nem que fosse caminhando. Não me preocupei com tempo, cronômetro e, principalmente, não contei para quase ninguém que o dia, enfim, estava por vir. Queria evitar pressão, já que eu sempre tive pavor de decepcionar pessoas – uma grande besteira.

Meu dia anterior à prova tinha sido um desastre: dormi pouco, não descansei, me alimentei mal. Vida que segue. Não dava para desistir. No dia da prova, bateu um medo. Me vi naquele aglomerado de gente e pensei: ‘e agora?’. Olhei para o lado e vi que tinha dois amigos que torciam por mim. Aquilo me acalmou. O sol estava escaldante, o percurso era diferente do que eu estava costumada e, para piorar, ainda esqueci meu fone de ouvido, parceiro que me estimula diariamente nas atividades. Dada a largada, corri. Andei, corri, andei. Rezei para encontrar umas águas pelo caminho, fiz a curva, ultrapassei a fui ultrapassada. Depois de pouco mais de 40 minutos, avistei a linha de chegada. Corri, corri, corri. Bati na mão de Miro, que me esperava na linha de chegada. Ei…eu consegui! Não olhei para o cronômetro (nem mesmo lembrei que existia um relógio contando o tempo bem ali, na minha frente). Nada importava. Quem liga se foram 20, 30, 40, 90 minutos? Eu venci essa prova, mesmo estando longe do pódio.

Eu estava sem acreditar. Minhas pernas tremiam de cansaço e emoção. Quando colocaram a medalha no peito, chorei. Lembrei de como faltava confiança em mim mesma. Imaginei como minha família ficaria orgulhosa. Pensei em meu pai, que durante a sua breve passagem na terra foi um grande apaixonado pela corrida de rua. Eu sei que ele estava orgulhoso e que correu todo aquele percurso comigo.

Hoje, minha única vontade é sair sacudindo as pessoas que não acreditam em si, que dizem que não sabem ou não são capazes de correr, e dizer: ei, você consegue, sim. Sério. A frase é clichê, mas “Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena acreditar no sonho que se tem, ou que seus planos nunca vão dar certo”.

Por sinal, já me inscrevi na minha segunda prova de rua. Vamos nessa?”.

 


Leia também:

Premiar um atleta significa mantê-lo em atividade

19/10/2017

Sabemos como é difícil viver de um esporte no Brasil. Na verdade, em nosso país, é difícil viver de várias outras atividades. O esporte, infelizmente é mais uma delas. Por isso, nem todos os atletas contam com incentivos públicos ou patrocínios privados. A grande maioria não conta com esse auxílio que o permite se dedicar integralmente a modalidade que pratica, melhorando sua performance e, consequentemente, seus resultados