Qual o tipo de maconha para cada doença?

Paciente com câncer produz óleo de cannabis em Salvador
Março 3, 2016
A maconha na história
Março 3, 2016

A depender da genética da planta, a cannabis pode ter mais ou menos CBD e THC. Saiba como essas duas substâncias (juntas ou separadas) podem ser importantes para pôr fim a convulsões da epilepsia e até ajudar no câncer. A lista de doenças é grande.

Por que a cannabis pode ajudar no combate de tantas doenças, especialmente as neurológicas? Simples. Porque os canabinoides ativam o chamado sistema endocanabinoide do corpo humano – formado por receptores como o hipotálamo, tronco encefálico, neocórtex, hipocampo e os núcleos de base. Quer dizer, não é tão simples assim. Mas o professor Antônio Andrade tenta esclarecer melhor. “É o sistema endocanabinoide que regula o sistema nervoso. Os princípios ativos da maconha – CBD e THC - estabilizam a atividade cerebral”, explica . As crises convulsivas, por exemplo, são descargas anômalas em que há uma excitação dos neurônios. Na dose certa, a cannabis regula esse funcionamento. Conheça, no cérebro, como funciona o sistema endocanabinoide, os efeitos da cannabis nesse sistema e qual princípio ativo a maconha precisa ter no combate aos diversos tipos de doenças.

Com Canabidiol (CBD)

● Epilepsia refratária: O canabidiol reduz significativamente os ataques epiléticos e o THC contribui para o sono.

● Parkinson: Reduz muito os tremores, aumenta a capacidade motora, melhora o humor e o sono.

Com Tetraidrocanabidiol (THC)

● Câncer: alívio dos efeitos colaterais da quimioterapia.

● AIDS: Combate sintomas e efeitos colaterais do tratamento, como náusea e perda do apetite.

● Insônia: Ajuda a induzir o sono, além de permitir noites mais tranquilas – o que pode ser útil no tratamento de estresse pós-traumático.

Com CBD e THC

● Esclerose Múltipla: Reduz espasmos, falta de sono e rigidez muscular. Mas pode aumentar a perda de memória e déficit de atenção, comuns a quem tem a doença.

● Alzheimer: Canabinoides podem desacelerar o avanço do Alzheimer e outras formas de demência.

● Microcefalia: CBD diminui espasmos, crises convulsivas e contribui para o desenvolvimento cognitivo. THC ajuda no combate à insônia.

●Artrite Reumatoide: A maconha tem poder analgésico para tratar dores persistentes.

●Doença de CROHN: Ameniza náuseas e dores intestinais, além de atacar (e até erradicar) as células que provocam a infecção.